As Fontes do Paraíso – Arthur C. Clarke

As Fontes do Paraíso

Ficha Técnica do Livro

  1. Título: As Fontes do Paraíso (The Fountains of Paradise)
  2. Nome do autor: Arthur C. Clarke
  3. Tradutor: Donaldson M. Garschagem
  4. Nome da editora: Círculo do Livro;
  5. Lugar e data da primeira publicação: EUA, 1979;
  6. Número de páginas: 280 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica Hard;
  8. Nota: ★★★★

As Fontes do Paraíso (The Fountais of Paradise) é um livro vencedor dos prêmios Hugo, Nebula e Locus escrito em 1979 por Arthur C. Clarke.  O livro trata da construção de um elevador espacial na Terra. A teoria do elevador espacial realmente existe, tendo sido publicada pela primeira vez em 1895 por Konstantin Tsiolkovsky, um cientista de foguetes russo. Ele propôs um sistema onde um cabo seria ancorado na superfície da Terra e a outra ponta em um contra-peso em órbita geostacionária, que permitiria elevar cargas ou espaçonaves até uma órbita em torno da Terra sem a necessidade de utilização de foguetes, o que seria incomparavelmente mais econômico.
O livro situa-se no século 22, onde o Dr. Vannevar Morgan é um famoso engenheiro estrutural que planeja construir um elevador espacial, mas como se não bastasse os problemas de tecnologias de materiais e recursos necessários, ele tem que lidar com o fato de que o único local viável para a construção da torre de ancoragem ficar no topo de uma montanha em Taprobane (Sri Lanka) onde encontra-se um monastério de monges budistas, que opõe-se implacavelmente ao plano pois consideram a montanha sagrada. O Dr. Morgan não é o primeiro homem com planos ambiciosos para essa montanha. Centenas de anos atrás, o Rei Kalidasa enfrentou a mesma resistência dos monges quando planejou construir um palácio na montanha. A joia de seu projeto era a construção das “Fontes do Paraíso” que mostraria jatos de água espetaculares. Existe portanto um paralelo entre os dois homens e seus projetos ambiciosos e a forma como ambos desafiam tradições.
O Dr. Morgan acaba conseguindo vencer a resistência dos monges, e realiza o sonho da construção do elevador espacial, mas um acidente com uma capsula de transporte acaba deixando um grupo de estudantes, um astrofísico e membros da equipe da torre presos a seiscentos quilômetros de altura. Como o suprimento de ar e alimentos está prestes a se esgotar, o Dr. Morgan parte em uma desesperada tentativa de salvamento, o que garante momentos emocionantes na narrativa.
A montanha é um local fictício, mas situado em Sri Lanka onde Arthur C. Clarke viveu a segunda metade de sua vida. O Rei Kalidasa é inspirado em um rei que também existiu na ilha.
As Fontes do Paraíso é um livro excitante que ainda parece atual depois de mais de 30 anos. A inteligente justaposição dos sonhos de Morgan com os do Rei Kalidasa adiciona muita beleza e riqueza na estória, e junto com o Dr. Morgan, ao descobrirmos mais sobre o Rei Kalidasa nos encantamos com a beleza dessa antiga civilização. Em contraste com esse pedaço de história antiga, somos apresentados à estonteante visão da Terra do futuro onde viagens espaciais são comuns e elevadores espaciais apresentam-se como uma forma barata de transporte espacial.
As contribuições de Arthur C. Clarke ao desenvolvimento dos satélites geostacionários garante ainda mais credibilidade a essa ideia do elevador espacial e apesar da sua construção ainda ser considerada impossível com os materiais e tecnologias existentes hoje, no futuro um elevador espacial poderá realmente ser construído.

Anúncios

Encontro com Rama – Arthur C. Clarke

imagem_a

Encontro com Rama (Rendezvous with Rama) é um livro de ficção científica hard escrito por Arthur C. Clarke em 1972, e vencedor do Prêmio Nebula de 1973 e Prêmios Hugo e Locus de 1974. A estória está situada no século 22, quando uma misteriosa espaçonave cilíndrica de 20 Km de diâmetro e 54 Km de comprimento entra no sistema solar, e mostra o ponto de vista de um grupo de exploradores humanos que partem em uma missão exploratória para tentar revelar seus segredos. Esse livro é considerado um dos melhores trabalhos de Arthur C. Clarke, e após o sucesso desse livro o autor juntou esforços com Gentry Lee — outro grande escritor de ficção científica — para escrever outros três livros, criando o que considero a melhor série de ficção científica hard já escrita.

Introdução ao Roteiro (sem spoilers)

Após um desastre em 2077 causado pela colisão de um asteroide no noroeste da Itália, o governo da Terra iniciou um projeto conhecido como Spaceguard, para rastrear e avisar com antecedência possíveis colisões com outros asteroides.

Em 2130 um objeto de grandes proporções é detectado além da órbita de Júpiter. Inicialmente confundido com um asteroide, sua órbita e velocidade mostram que trata-se de um objeto que veio de fora do sistema solar. O interesse pelo objeto cresce quando um astrônomo descobre que ele possui um período de rotação de apenas 4 minutos, mesmo sendo excepcionalmente grande. Há muito tempo os astrônomos já tinham esgotado a mitologia grega e romana, e agora estavam explorando o panteão hindu, o objeto então foi batizado com o nome do deus Rama.

Uma sonda batizada de Sita é lançada a partir de Phobos, uma das luas de Marte, para interceptá-lo e fotografá-lo, e acaba revelando que Rama é um gigantesco cilindro construído artificialmente, fazendo desse o primeiro encontro da humanidade com uma nave alienígena.

A nave tripulada de pesquisa solar Endeavour é rapidamente redirecionada para explorar Rama, por tratar-se da única nave próxima o suficiente para alcançar a nave alienígena durante sua breve visita pelo sistema solar. A Endeavour consegue alcançar Rama um mês após a a sonda Sita revelar tratar-se de uma nave alienígena, sendo que esta já estava dentro da órbita de Vênus. A tripulação de cerca de vinte homens, liderados pelo Comandante Bill Norton, tem pouco tempo para entrar em Rama, e explorar a vastidão de seu mundo interior.

Considerações sobre o livro

Nessa estória você não encontrará casos de amor entre os personagens; os personagens são cientistas sensatos e não existem conflitos psicológicos entre eles; não há personagens malvados (apesar de uma ação do governo de Mercúrio adicionar algum drama ao enredo); não existem alienígenas malignos; não existe ameaça real à vida na Terra em nenhum momento; o livro parte de uma premissa ingênua e comum na ficção científica: seres humanos tropeçando em um objeto alienígena cheio de mistérios (apesar da escala monumental do objeto, claro). Agora você perguntará: Então o que há de tão especial em Encontro com Rama para ter recebido tantos prêmios e ser considerado um dos melhores livros de ficção científica de todos os tempos?

A genialidade de Arthur C. Clarke, é óbvio!

Agora falando sério, Clarke realizou um trabalho primoroso de ficção científica hard, aquele gênero de ficção que tem um forte apreço pela realidade e leis da física.

O principal foco do livro (e o autor nunca desvia desse caminho) é desvendar os mistérios dessa nave alienígena gigantesca, com as possibilidades que tal encontro poderia apresentar.

O autor realiza um excelente trabalho descrevendo a força centrífuga gerando o equivalente a força gravitacional, a força coriolis e os autômatos ramanianos, abandonando a ficção científica hard apenas para introduzir a Propulsão Espacial, uma clara violação da física (até onde sabemos, claro).

Acredito que a melhor coisa nesse livro é que ao lê-lo sentimos que estamos novamente na companhia daquele nosso tio-avô que, quando éramos crianças, era capaz de expandir nossos horizontes e aumentar nossa admiração pela ciência e natureza, e, assim como fazíamos na época, acabamos perdoando suas manias e piadas sem graça pelo simples prazer da sua companhia, e pelo encanto que sua paixão pela ciência produzia em nós.

Os Náufragos do Selene – Arthur C. Clarke

os-naufragos-de-selene-arthur-c-clarke_MLB-O-165048002_6748Os Náufragos do Selene (A Fall of Moondust) foi o primeiro livro de Arthur C. Clarke a vencer um prêmio Hugo na categoria Melhor Romance, em 1961.
O gênero desse livro, mais especificamente é Hard Science Fiction, que é uma categoria da ficção científica onde é muito valorizada a ênfase nos detalhes técnicos e acurácia científica, e Arthur C. Clarke foi um dos maiores escritores nessa categoria.

Introdução ao roteiro (com leves spoilers)

No século XXI a lua foi colonizada, sendo um grande centro de pesquisas. Mas os passeios turísticos são uma realidade, para quem pode pagar o preço. Uma das grandes atrações é um cruzeiro pelo mares da lua, mais especificamente em Sinus Roris, que é um local cheio de uma areia extremamente fina, mais fina e seca que qualquer coisa parecida na Terra, e que pode fluir como água. Um barco projetado para navegar nesse mar recebe o nome de Selene, navegando como um barco da Terra no mar.
Um terremoto causa o colapso de uma caverna subterrânea, e quando o Selene passa sobre ele ele afunda cerca de 15 metros abaixo da superfície de areia, e seguem-se uma série de problemas fatais que a tripulação e os passageiros tem de enfrentar.
O Captão Harris terá que usar de muita engenhosidade e improviso para salvar a todos do desastre.
É um clássico, uma leitura deliciosa onde Arthur C. Clarke mostra como é possível escrever um livro de ficção científica com acurácia científica e tecnológica!