Perdido em Marte (The Martian) – Andy Weir

120789907_1GG

Ficha Técnica do Livro:

  1. Título: Perdido em Marte (The Martian)
  2. Nome do autor: Andy Weir
  3. Nome da editora: Arqueiro
  4. Tradutor: Marcello Lino
  5. Lugar e data da publicação: Brasil, 10/07/2014
  6. Número de páginas: 336 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica Hard;
  8. Nota: ★★★★ (4)

Perdido em Marte (The Martian) é um romance de ficção científica do subgênero Hard, que é um estilo de ficção focada na precisão científica. Foi originalmente publicado pelo próprio autor em 2011, sendo que em 2014 os direitos foram adquiridos por uma grande editora (Crown Publishing) que republicou o livro com grande sucesso. O livro ganhou projeção após ser divulgado que Ridley Scott irá filmar a estória, com Matt Damon no papel principal, e o lançamento será ainda neste ano! Para mais informações confira este link para o IMDB.

Post atualizado, agora já temos o trailer! (19/08/2015)

O livro conta a estória do astronauta Mark Watney, um botanista e engenheiro mecânico que é deixado para trás logo no início da terceira missão tripulada à Marte, a Ares 3, que foi forçada a evacuar devido a uma forte tempestade. Seus companheiros o julgaram morto devido a uma antena ter perfurado seu traje EVA, o que foi confirmado pelos monitores de dados vitais de seu traje. Na verdade seu ferimento não foi muito grave, e o traje foi capaz de vedar o vazamento antes de perder muita pressão. Watney acaba ficando para trás, sem comunicação com o resto da equipe ou com a NASA, precisando contar apenas com suas habilidades técnicas e científicas para sobreviver com os recursos limitados que dispõe até a próxima missão Ares, e assim ter alguma chance de resgate.

Mark Watney revela-se uma pessoa cheia de recursos, com uma criatividade e capacidade de lidar com adversidades totalmente fora dos padrões. Ele é uma espécie de MacGyver que é capaz de consertar qualquer coisa com um pouco de fita adesiva, pedaços de lixo e o que mais conseguir obter.

O autor pretendeu mostrar um personagem que nunca se deixa abater, com um bom humor tão fora do padrão quanto suas habilidades para sobreviver. Mas, na minha opinião, aqui o autor exagera um pouco, e mostra o diário de Watney mais como um blog nerd do que um drama de sobrevivência. Praticamente não existe nenhum momento traumático, e o tempo todo o astronauta faz trocadilhos e piadinhas infantis, como substituir uma unidade de medida de energia que considera sem graça por “pirata-ninja”, faz piadinhas com emoticons ao fazer contato com a NASA (veja só, um par de peitos! (.Y.)). Sinceramente, as piadas são mais embaraçosas do que engraçadas. Não importa o tamanho da desgraça, ou quanto a situação seja desesperadora, Watney insiste em fazer piadas e comentários ridículos, minimizando o tempo todo a tensão que seria característica em um livro de sobrevivência. Watney é um personagem unidimensional, sem nenhuma profundidade psicológica, mesmo passando por situações traumáticas como quase morrer várias vezes e ter sido abandonado em outro planeta.

 Apesar disso, Andy Weir é um excelente escritor técnico, bastante detalhista ao descrever as ações de Watney para criar e reciclar água e ar, para criar solo para cultivar batatas, e adaptar o veículo espacial e o habitat para os mais diversos fins. No subgênero Ficção Científica Hard essa familiaridade com a ciência é muito importante, e sem dúvida é o ponto forte do livro.

Talvez o autor tenha tentado aproximar o livro da linguagem dos jovens, ou facilitar a leitura, mas considero muito desagradável um personagem fazer algum comentário sarcástico e logo depois explicar: sim, isso é sarcasmo. Uma piada que precisa de legenda ou trata-se uma piada ruim ou o autor considera que o leitor não possui inteligência suficiente para entende-la. É lamentável.

Mesmo assim ainda assim considero esse livro uma gratificante novidade na ficção científica, e recomendo sua leitura. Apenas considero que teria sido um livro bem melhor se fosse um pouco menos nerd e um pouquinho mais dramático.

Anúncios

Red Mars – Kim Stanley Robinson

M1_Red_Mars           

 Ficha Técnica do Livro

  1. Título: Red Mars (Trilogia de Marte #1)
  2. Nome do autor: Kim Stanley Robinson
  3. Tradutor: Não foi traduzido para o português
  4. Nome da editora: Spectra;
  5. Data e local de publicação: EUA, 1993;
  6. Número de páginas: 592 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica;
  8. Sub-Gênero: Ficção Científica Hard;
  9. Nota: ★★★★

Red Mars é o primeiro livro da Trilogia de Marte, tendo recebido o Prêmio Nebula de 1993. Lembro de ter lido ele pela primeira vez em 1994 ou 1995, época em quem eu estudava astronomia na UFRJ e este foi o primeiro livro de ficção científica que li em inglês. Desde então venho esperando por uma tradução, mas infelizmente ela nunca foi feita, e como estou lendo os vencedores do Prêmio Hugo (Green Mars e Blue Mars receberam o prêmio) decidi começar relendo o primeiro livro da trilogia que considero a melhor ficção épica sobre a colonização de Marte.
Hoje temos acesso a muitas imagens de Marte, inclusive através do Google Maps Mars, recomendo a consulta dos mapas e regiões para uma melhor ambientação! Veja algumas das regiões descritas por Robinson em seu livro:

Chryse Planitiae

Chryse Planitiae

Juventae Chasm

Juventae Chasm

Para uma perspectiva ainda melhor do planeta vermelho recomendo o site da NASA, que tem uma enorme quantidade de material das últimas missões, principalmente da Opportunity:

PIA16703_Sol3137B_Matijevic_Pan_L257atc_br2

A história de Red Mars inicia em 2026 com a primeira viagem colonizadora para Marte feita pelo Ares, a maior espaçonave construída para levar os primeiros colonizadores do planeta vermelho. A nave foi construída através da união de tanques externos dos ônibus espaciais, que após a utilização foram impulsionados até uma órbita para serem utilizados como módulos construtivos. A missão é um joint venture entre os Russos e Americanos, sendo que setenta dos Primeiros Cem são desses países. O livro detalha a viagem, a construção da primeira base (chamada de Underhill) por Nadia Chernyshevski, os relacionamentos complexos entre os colonizadores, os debates sobre terraformação do planeta e o relacionamento da colônia com a Terra.

Existem dois pontos de vistas diametralmente opostos quanto a terraformação de Marte: O personagem Saxifrage “Sax” Russell acredita que própria presença do ser humano no planeta significa que a terraformação de Marte já teve início, e que seria essa a nossa obrigação, pois a vida é a coisa mais rara e preciosa do universo e Marte precisa receber a vida. Já Ann Clayborne assume a posição de que a humanidade não tem o direito de alterar planetas para satisfazer suas necessidades.
O ponto de vista de Russel inicialmente é puramente científico mas acaba misturando-se com as ideias de Hiroko Ai, a chefe da equipe de agricultura que acaba criando um novo sistema de crença (a “Areophania”) que devota-se à admiração e promoção da vida (“viriditas”); os seguidores desses pontos de vistas são chamados de “Verdes”, enquanto os seguidores de Clayborne ficam conhecidos como “Vermelhos”.
O órgão que irá decidir para qual lado a colonização irá seguir será a Autoridade das Nações Unidas para Organização de Marte (UNOMA), e obviamente (contar o óbvio não é spoiler, certo?) os Verdes irão prevalecer.
Entre as técnicas utilizadas para transformar Marte são utilizadas as seguintes:

  1. Instalação de um grande número de cataventos para transformar a energia eólica em térmica para aquecer a atmosfera;
  2. Escavação de túneis profundos na crosta (moholes) para liberar calor retido abaixo da superfície. O nome Mohole é uma homenagem ao Projeto Mohole, que foi conduzido entre 1958 e 1966 e realizou uma tentativa de recuperar uma amostra de material do manto terrestre ao cavar um buraco através da crosta na Descontinuidade de Mohorovicic, ou Moho.
  3. Aumento da concentração de gases na atmosfera através de uma complexa fórmula bio-química que fica conhecida como “coquetel de Russell”;
  4. Detonações nucleares profundas para derretimento do permafrost e liberação de água;
  5. Arremesso de cometas para colisão na atmosfera de Marte, em trajetória rasante, causando sua desintegração e agregação de oxigênio, hidrogênio e água na atmosfera;
  6. Inserção de um asteroide em órbita geossíncrona com Marte, que é batizado de “Clarke” no qual será construído um  elevador espacial;

Além disso Robinson introduz muitas tecnologias que hoje seriam consideradas como o Santo Graal da ciência, tanto na ciência de materiais (com super materiais extremamente resistentes que possibilitariam a construção do elevador espacial e redomas flexíveis capazes de envolver cidades inteiras) como na ciência biológica (tratamentos genéticos e geriátricos que prolongariam a vida e a qualidade de vida em várias décadas).
Considero Red Mars um dos melhores livros de ficção científica hard já escritos, e sem dúvida o melhor livro sobre uma possível colonização de Marte, muito coerente nos princípios científicos apresentados, cheio de aventura, romance e humor. Mas então por quê não dei cinco estrelas para ele? Acredito que a única falha do autor foi dar pouco destaque ao enorme desafio que os colonizadores deveriam enfrentar ao lutar contra um ambiente extremamente hostil: atmosfera rarefeita e tóxica, frio extremo, recursos limitados e ambientes confinados em um sistema ecológico frágil e complexo. Para se ter uma ideia, após mais de um ano da chegada da equipe de cem colonizadores nenhum deles morre ou sofre ferimentos graves. O pior ferimento foi o de Nadia, uma especialista em construções em ambientes hostis, que perdeu apenas um dedo e um acidente. Comparando com as dificuldades enfrentadas pelos colonizadores do Novo Mundo ou com as dificuldades que os exploradores da Antártica enfrentaram, é praticamente um acampamento de verão! A viagem da equipe de geólogos e Nadia ao pólo norte marciano foi descrita rapidamente e transcorre sem nenhuma dificuldade, sendo apresentada mais como uma excursão de férias para Nadia do que como uma missão arriscada com algum propósito científico ou prático. Enquanto isso a maior preocupação de Maya (a líder do grupo russo) é como ela vai lidar com seu triângulo amoroso que mantém com os dois líderes americanos, Frank e John.
Muito pouco do livro é dedicado à questão homem versus ambiente, e muito dele é dedicado aos conflitos entre os próprios seres humanos, questões políticas e econômicas, como se a maior dificuldade de viver em Marte não fosse o ambiente inóspito, mas sim a própria natureza destrutiva do ser humano e as dificuldades de relacionamentos dos colonizadores.
Mas essa é uma pequena falha de Kim Stanley Robinson, e de forma alguma desmerece esse grande livro. Na minha opinião, Red Mars seria ainda melhor se tivesse um pouco mais do estilo que Arthur C. Clarke empregou em Encontro com Rama (veja minha análise), que é muito mais realista e focado na exploração e não nos relacionamentos humanos.

Robinson utiliza o eficiente recurso de alternância da narrativa em terceira pessoa entre os personagens principais, o que permite ao leitor ver Marte e os relacionamentos dos colonizadores sob perspectivas muito diferentes: Nadia com seu pragmatismo cabeça-dura, Ann com sua tristeza quase patológica, John com seu entusiasmo e estilo celebridade de primeiro homem em Marte, Arkady com seu libertarismo revolucionário, o psiquiatra francês Michel Duval sofrendo de saudade crônica da Terra; essa alternância amplia muito a abrangência do trabalho do autor, possibilitando ao leitor identificar-se com um ou outro personagem e suas atitudes em determinados momentos.

Não deixe de ler também Green Mars e Blue Mars, em breve publicarei minha análise dos outros livros da trilogia!

Serpente do Espaço – Vonda N. McIntyre

55 - Serpente do Espaço

Ficha Técnica do Livro:

  1. Título: Serpente do Espaço (Dreamsnake)
  2. Nome do autor: Vonda N. McIntyre
  3. Tradutor: Margarida Gomes, Eduardo Gomes
  4. Nome da editora: Editora Europa-América, coleção Livros de Bolso FC n° 55;
  5. Lugar e data da publicação: Portugal, 1983
  6. Número de páginas: 264 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica;
  8. Sub Gênero: Ficção Científica Social
  9. Nota: ★★ (4)

Serpente do Espaço (Dreamsnake) é um romance de ficção científica escrito por Vonda N. McIntyre em 1978 e vencedor dos três prêmios mais importantes da ficção científica (Hugo e Locus de 1979 e Nebula de 1978), feito que foi igualado por apenas 13 livros até hoje, o que a coloca ao lado de autores consagrados como Asimov (Os Próprios Deuses), Clarke (Encontro com Rama), Le Guin (Os Despossuídos), Haldeman (Guerra Sem Fim) e Pohl (Gateway).
Não se deixe enganar pela capa e título — no pior estilo anos 70 — pois certamente esse livro merece um lugar de destaque entre os clássicos do gênero.
O livro conta a história de uma curandeira com o sugestivo nome Serpente (Snake) que vaga entre as tribos e clãs de um mundo devastado em um futuro distante, curando os doentes e trazendo conforto aos moribundos, utilizando-se do veneno de algumas cobras que leva consigo para produzir medicamentos. Logo no início uma de suas cobras, que é capaz de induzir torpor e alucinações em seres humanos, sua “cobra dos sonhos”, é morta. Ela então tentará encontrar uma nova cobra para substituí-la, e ao mesmo tempo irá ajudar muitas pessoas em seu caminho.
A história se passa na Terra, mas em um futuro pós-apocalíptico, muito diferente tanto tecnologicamente quanto socialmente do nosso mundo moderno: Uma guerra nuclear tornou vastas regiões da Terra radioativas demais para suportar a vida humana, mas a biotecnologia avançou bastante e a manipulação genética de plantas e animais é coisa rotineira.
Apesar de ter avançado em algumas áreas da ciência, como a biotecnologia, a humanidade regrediu a um tribalismo primitivo, e as tribos ou clãs encontram muitas dificuldades em meio a uma terra devastada, exceto em uma cidade murada e fechada que ignora completamente os clãs e vive em completo isolamento.
Vonda N. McIntyre construiu uma aventura repleta de idéias, utilizando uma prosa ágil, elegante mas sem excesso de ornamentação, bastante evocativa principalmente com suas descrições breves mas intensas dos cenários que conduzem o leitor diretamente ao estranho mundo desértico e devastado por uma guerra nuclear, mas que apesar disso ainda nos é familiar.
A autora abraça completamente a ideia de que a ficção científica deve ser um espelho da nossa sociedade contemporânea, e apesar de descrever um mundo que em muitos aspectos é mais primitivo que o nosso, ela pretende fazer com que questionemos o mundo em que vivemos. Mas, como esse livro foi escrito nos anos 70 ele é repleto de ideias de poliamorismo, bissexualismo,  amor livre e comunalismo, e isso pode causar certa estranheza ao leitor moderno. Recomendo a você um pouco de paciência e que evite entrar em questionamentos sérios que possam ser causados por sua perspectiva idiossincrática, e que evite tratar esse livro como uma leitura política ou ideológica, pois este livro não foi escrito como um crítica disfarçada à nossa realidade sociopolítica, ao contrário de Ensaio Sobre a Cegueira de José Saramago.
De certa forma podemos considerar Serpente do Espaço como um livro que nada mais é que uma construção de mundo, sendo que a história é apenas uma desculpa para autora mostrar sua visão. Enquanto outros livros dedicam a narrativa a realizar a construção de mundos, neste livro a autora faz isso de forma muito delicada, em doses pequenas e diluídas no meio da tensão da narrativa. Muitas vezes podemos fazer falsas suposições, para logo em seguida percebermos que estávamos concluindo tudo de forma errada.
Uma das características que não considero uma falha, mas talvez uma fraqueza nessa obra é que existe uma clara divisão entre bons e maus. Os personagens maus não passam de seres desprezíveis que são obstáculos para os bons. E que maldades eles são capazes! São capazes até mesmo de cometer abuso sexual infantil. As pessoas boas são raras, mas muito prestativas e pouco reais. Uma coisa bem anos 70 nesse livro é a tendência que duas pessoas boas tem de se apaixonar à primeira vista, apenas porque são criaturas boas e raras. A personagem principal é sólida e bem construída, mas os demais personagens são muito superficiais e pouco convincentes. Essa superficialidade é uma fraqueza da autora, mas a história é tão original que facilita muito que a perdoemos por isso.
Serpente do Espaço é um livro muito estranho, diferente de tudo que existe no gênero, o que talvez explique nunca ter sido publicado no Brasil, mas você poderá encontrar com relativa facilidade em sebos online uma cópia da edição portuguesa.

Estranheza e méritos de Serpente do Espaço

  • Cobras:  Sim, o livro é repleto de cobras… cobras, cobras e mais cobras… para quem sofre de ofidiofobia este livro pode ser um pesadelo. A personagem principal, além de chamar-se Serpente possui várias cobras que são mais que instrumentos de trabalho, são verdadeiros bichinhos de estimação, que sobem em seu corpo, enrolam-se em seu pescoço e braços. A intimidade dela com as cobras é no mínimo estranha.
  • Controle de natalidade: Controle de natalidade via bio feedback. Sem dúvida uma ideia bastante imaginativa, e apreciada por muitos leitores de McIntyre que não gostam muito de ficção científica high-tech e da dominância do gênero masculino no gênero.
  • Casamentos entre três pessoas: Peguemos o exemplo de uma personagem, Merideth. Apesar da estranheza do nome (pronúncia equivalente à Merry + death, ou morte alegre), o mais interessante é que ela mostra uma característica curiosa da sociedade, os casamentos entre três pessoas. Merideth é casada com um homem e uma mulher… até aí tudo bem, mas quem são os maridos ou esposas? Ei, afinal Merideth é homem ou mulher? Nunca saberemos. Essa androginia e indefinição de papéis é uma característica interessante no livro, que infelizmente perdeu-se na tradução para o português, pois a tradutora em alguns trechos assumiu tratar-se de um homem, mas no original podemos nitidamente perceber a indefinição. Veja os trechos:

Beneath deep tan, Merideth was pale. “Then do something, help her!”
Em português:
Sob o seu tom escuro, Merideth estava pálido:
— Então faz qualquer coisa! Salva-a! (página 52)

“Dear Merry, Alex knows,” Jesse said. “Please try to understand. It’s time for me to let you go.”
Em português:
— Meu querido Merry, Alex tem razão — disse-lhe Jesse — Por favor, tenta compreender. É tempo de eu vos deixar ir. (página 57)

Eu entendo a dificuldade que seria manter essa indefinição entre masculino ou feminino no português, uma língua mais exigente quanto aos gêneros, mas a tradução acabou eliminando um aspecto muito interessante do livro ao determinar que Merideth é homem, o que a autora nunca fez.

  • Subversão através da simpatia: Fugindo dos meios tradicionais de subversão (força, ameça, terror, choque e dor) a autora apresenta uma nova forma de subversão através da bondade da protagonista, que está longe de ser sentimentalista ou cínica. O efeito dessa subversão é paradoxal, age de forma lenta e acaba sendo mais durável, e o leitor é a principal vítima da subversão de McIntyre!
  • Feminismo: De certa forma, o feminismo da autora é mais eficiente até que  o de Ursula K. Le Guin (veja minha análise de A Mão Esquerda da Escuridão), ao mostrar personagens femininos fortes, indefinição de papéis e gêneros, além dos casamentos livres de papéis pré-definidos pela sociedade. Apesar disso o trabalho de Le Guin é muito melhor conceituado que o de McIntyre.
  • Desconstrução de gêneros: Todas as nossas expectativas relacionadas à gêneros e seus papéis na sociedade, que estão solidificados em nossas mentes, são questionados de forma muito competente pela autora, expondo nossos preconceitos e abrindo nossas mentes. Essa desconstrução é típica da contracultura dos anos 70, mas mesmo assim ainda é interessante para o leitor moderno.

Avaliação do livro

  • Enredo: Possui alguns momentos emocionantes, mas em outros é a narrativa é um pouco lenta. História muito original e intrigante, focada mais no aspecto social que no tecnológico. Nota 4 (★★★★ ).
  • Personagens:  Os personagens ou são completamente bons, ou completamente maus, o que demonstra um pouco de superficialidade. Apesar disso a autora foi muito competente na caracterização deles. Nota 4 (★★★ ).
  • Narrativa: A prosa é elegante, mas sem exageros. Excelente ambientação e criação de mundo. Nota 5 (★★★).
  • Tradução: Existem erros de tradução na edição portuguesa, o mais grosseiro foi a remoção da indefinição do gênero do personagem Merideth. Nota 3 (★★★).
  • Geral: Certamente é um livro que merece ser lido, principalmente por sua originalidade, mas também por sua estranheza. Um verdadeiro clássico que vem sendo esquecido e ignorado há décadas por leitores brasileiros. Nota 4 (★).

A Rainha de Gelo – Joan D. Vinge

DSC_0129

Ficha Técnica do Livro:

  1. Título: The Snow Queen (A Rainha de Gelo)
  2. Nome do autor: Joan D. Vinge
  3. Tradutor: Maria Luísa Ferreira da Costa
  4. Nome da editora: Editora Europa-América, coleção Livros de Bolso FC ns° 51 e 52;
  5. Lugar e data da publicação: Portugal, 1983
  6. Número de páginas: 448 páginas;
  7. ISBN: 978-972-1-01875-4
  8. Gênero: Ficção Fantástica / Fantasia Científica
  9. Nota: ★★

A Rainha de Gelo é um livro que foi publicado em português apenas em Portugal, talvez por isso seja um livro pouco conhecido do público brasileiro. Apesar de ser classificada como ficção científica ela está tão fortemente imersa no universo da fantasia que prefiro classificá-la como fantasia científica, uma categoria que fica meio abandonada entre a ficção científica e a fantasia.
O livro é inspirado no conto homônimo de Hans Christian Andersen,  de 1844, e assim como ele lida com polaridades e dualidades: claro e escuro, verão e inverno, avanço e atraso tecnológico.
A história acontece em Tiamat, um planeta com uma longa órbita em torno de um buraco negro que conecta Tiamat com o resto da galáxia civilizada, a Hegemonia.
A população de Tiamat divide-se em dois clãs regidos por uma monarquia matriarcal: Summers (Estivais) e Winters (Invernosos). Os Winters relacionam-se com os estrangeiros, e fazem uso da tecnologia deles. Os Summers no entanto desprezam toda tecnologia e vivem como os seres humanos viviam milhares de anos atrás, com tecnologias rudimentares de agricultura e pesca.
A cada 150 anos, a órbita do planeta em torno de um buraco negro produz uma drástica alteração climática, causando o início de uma mini era glacial, e Tiamat durante esse período é governado por uma Rainha de Gelo, escolhida dentre o clã dos Invernosos. Ao encerrar-se o ciclo de 150 anos o clima esquenta novamente, e a Rainha de Gelo é executada em uma cerimônia que coroa a nova Rainha, escolhida entre o clã Estivais, que será conhecida como Rainha do Verão.
Durante o reinado da Rainha do Gelo, viagens estelares são possíveis devido à uma antiga técnica que a Hegemonia herdou do Antigo Império, utilizando o próprio buraco negro como Porta para as viagens para lugares longínquos do universo. Durante esses 150 anos Tiamat é capaz de comunicar-se e negociar com os mundos da Hegemonia mas na fase de governo da Rainha do Verão, essa Porta não é mais acessível, e todo contato fica interrompido.
A história conta como a Rainha do Gelo atual, Arienrhod, pretende prolongar seu reinado para além dos 150 anos através de clones implantados secretamente nos corpos de mulheres do clã Summer.
As pessoas mais ricas do clã Winters conseguem prolongar artificialmente suas vidas através de uma substância extraída do sangue de uma espécie de animal marinho conhecido como mer, a “água da vida”. Essa substância anti-envelhecimento é vendida para os outros mundos da Hegemonia, e a caça ao mer é intensa durante o governo dos Winters, quando os outros mundos tem acesso à Tiamat.
Um desses clones de Arienrhod, uma garota chamada Moon e seu primo Sparks, que estão apaixonados, enveredam-se em uma trama que acaba por afastá-los. Moon tornar-se-á uma profetisa, enquanto Sparks irá assumir a posição de Starbuck, o amante da rainha.
Moon acaba saindo de Tiamat em uma viagem para um mundo da Hegemonia, e retornará para confrontar a Rainha de Gelo e salvar seu primo.

Existem referências mitológicas e folclóricas muito curiosas em A Rainha de Gelo que são dignas de menção:

  1. Tiamat: O nome do planeta representa o espírito primordial do oceano na mitologia mesopotâmica.
  2. Arienrhod (ou Arianrhod): É uma figura da mitologia celta que aparece no Quarto Ramo do Mabinogion, uma coletânea de textos galeses. É descrita como “A Senhora da Roda de Prata”, que vivia na longínqua terra encantada de Caer Sidi, e personificava uma antiga deusa celta, representada pela constelação Corona Borealis, cujo nome em galês era “Caer Arianrhod” , ou seja, “O castelo girante de Arianrhod”. A lenda de Arianrhod é muito complexa, cheia de elementos contraditórios e de difícil compreensão,  e de contradições decorrentes da interpretação de antigas lendas que foram registradas apenas na tradição oral através dos bardos, monges e historiadores cristãos. Essa história, através de metáforas e intrincados simbolismos celtas, expõe a relação dos celtas com as divindades e cultos lunares.
  3. Moon (Lua): No tarô, a carta da Lua (Moon), é uma carta que indica inteligência instintiva, além do retorno às origens.
  4. Paralelo entre viagens espaciais e místicas: Nos contos de fadas as viagens à outros mundos (ou submundos) normalmente é associada com dissociação da passagem do tempo, e com perdas, o que é representado nesse livro através das viagens através da Porta no buraco negro, que causam dilatação temporal com a perda de vários anos em relação à Tiamat.
  5. Bruxa Má: A Rainha de Gelo encontra referência com a tradicional bruxa má, figura comum em vários trabalhos como nos livros de Andersen, dos Irmãos Grimm, Shakespeare e no folclore celta.

Apesar de possuir algumas semelhanças com o Universo Duna os personagens e a narrativa de Joan D. Vinge não possuem a profundidade e qualidade de um Frank Herbert. Assim como nos contos de fadas clássicos os personagens apresentam-se mais como exigências de roteiro para provar uma moral da história, carecendo de exibir quaisquer nuances psicológicos.
Mas será que essa superficialidade dos personagens é uma falha no trabalho da autora? A resposta é: não! É importante levarmos em conta que o livro A Rainha de Gelo foi escrito como um conto de fadas futurista, como uma tentativa de introduzir uma estrutura folclórica nesse universo da ficção científica, o que foi feito de forma muito competente pela autora, transformando o livro num clássico merecedor não apenas do Prêmio Hugo de 1981 como também a atenção de qualquer um que se interesse por ficção fantástica ou científica.

 

Fahrenheit 451 – Ray Bradbury

Fahrenheit-451

Fahrenheit 451

Ficha Técnica do Livro

  1. Título: Fahrenheit 451
  2. Nome do autor: Ray Bradbury
  3. Tradutor: Knipel, Cid
  4. Nome da editora: Biblioteca Azul
  5. Lugar e data da publicação: Brasil, 2012
  6. Número de páginas: 215
  7. Primeira publicação: 1953
  8. Gênero: Ficção Científica Soft
  9. Nota: ★★

Fahrenheit 451 é um clássico da ficção científica soft, gênero em que a trama e o tema focam mais no desenvolvimento psicológico dos personagens, seus relacionamentos e sentimentos enquanto detalhes tecnológicos ou científicos ficam em segundo plano ou até mesmo são completamente ignorados.
Bradbury escreveu esse livro no início da guerra fria, o que talvez explique seu profundo descontentamento com o caminho que a sociedade americana vinha seguindo e nos apresentando um futuro onde todos os livros são proibidos, opiniões próprias são consideradas antissociais e hedonistas, e o pensamento crítico foi suprimido. O personagem central, Guy Montag, trabalha como “bombeiro” mas ao contrário dos bombeiros que conhecemos, os bombeiros de sua distopia são os responsáveis por queimar livros (e até as pessoas que os possuem).

O título Fahrenheit 451 sugere que essa é a temperatura em que o papel entraria em combustão. Muitos consideram essa informação incorreta, mas ao verificar as temperaturas de auto ignição podemos notar que o autor utilizou quase exatamente a temperatura média para a auto ignição do papel:

(424–475)/2 °F = 449,50 °F

Alguns interpretam o livro como uma crítica à censura, outros como um retrato de uma sociedade distópica, controlada por um estado totalitário. Eu considero o livro  muito mais uma crítica à sociedade moderna, à TV e a cultura de massa, do que a um estado totalitário, o que foi confirmado pelo próprio autor várias vezes.  Não se trata do estado proibindo os livros e controlando a vida das pessoas, como em 1984 de George Orwell, mas muito mais de uma sociedade onde cada indivíduo desistiu de sua liberdade e exerce o controle sobre si mesmo.
Talvez a crítica de Bradbury à TV e a sua influência estupidificante seja um pouco exagerada, pois todas sociedades sempre buscaram entretenimentos estúpidos. Posso citar rapidamente as arenas de lutas, festas populares onde é imperativo se entorpecer, e as peças de teatro ou até mais recentemente os filmes, novelas e séries de TV que normalmente são obras pouco edificantes.
Bradbury não percebeu que a leitura sempre foi um nicho frequentado  por minorias, não é um fenômeno moderno o fato das pessoas lerem pouco. Na tabela abaixo compilei os dados da pesquisa do NOP World Culture Score:

Horas lidas2

Pela tabela acima podemos perceber, por exemplo, que os brasileiros gastam 5,2 horas semanais com leitura, 18,4 com TV, 10,5 com Internet e 17,2 com rádio. Mas esse problema é global, podemos também perceber que nenhum país no mundo lê mais do que assiste TV.
Mesmo considerando essa baixa média de leitura global, atualmente existem mais livros publicados do que a soma de tudo já foi feito desde que as primeiras civilizações começaram a utilizar a escrita. Hoje considera-se que existam mais de 130 milhões de livros publicados, mesmo considerando a lei de Sturgeon que classifica como lixo 90% de tudo que é publicado, ainda assim teríamos mais de 13 milhões de livros que valeriam a pena ser lidos!
Bradbury sugere que a leitura seria completamente abolida devido à TV, o que não aconteceu. Até mesmo a internet mostrou-se um meio que facilita enormemente o acesso a livros, inclusive possibilitando a leitura e download de clássicos de forma gratuita.
Bradbury considera nesse livro a TV como uma forma de cativar mentes simplórias e destruir interações sociais, o que é uma simplificação grosseira.
Eu considero as várias formas de difusão de cultura (livros, cinema, TV, rádio e agora internet) como meios complementares de distribuição. Uma pessoa que lê mais não é necessariamente mais desenvolvida ou inteligente que uma assiste mais TV. A comparação Coréia x Brasil é um excelente exemplo disso: mesmo considerando que os brasileiros leem mais que os coreanos, somos enormemente mais atrasados e nossa educação é muito inferior em relação a deles. Ou seja, leitura não é garantia de desenvolvimento cultural e educacional. Uma pessoa pode passar a vida lendo livros como os da Suzane Collins ou da série Sabrina que seria tão culta quanto outra que passou a vida assistindo novelas na TV, é um erro culparmos a mídia pelo valor de uma mensagem. O que nos torna mais informados ou mais educados não é o ato de ler em si, mas sim o quê estamos lendo e como interpretamos isso.
De qualquer forma Fahrenheit 451 é um excelente livro, que nos faz questionar a cultura de massa e o consumismo, recomendo a leitura!

As Fontes do Paraíso – Arthur C. Clarke

As Fontes do Paraíso

Ficha Técnica do Livro

  1. Título: As Fontes do Paraíso (The Fountains of Paradise)
  2. Nome do autor: Arthur C. Clarke
  3. Tradutor: Donaldson M. Garschagem
  4. Nome da editora: Círculo do Livro;
  5. Lugar e data da primeira publicação: EUA, 1979;
  6. Número de páginas: 280 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica Hard;
  8. Nota: ★★★★

As Fontes do Paraíso (The Fountais of Paradise) é um livro vencedor dos prêmios Hugo, Nebula e Locus escrito em 1979 por Arthur C. Clarke.  O livro trata da construção de um elevador espacial na Terra. A teoria do elevador espacial realmente existe, tendo sido publicada pela primeira vez em 1895 por Konstantin Tsiolkovsky, um cientista de foguetes russo. Ele propôs um sistema onde um cabo seria ancorado na superfície da Terra e a outra ponta em um contra-peso em órbita geostacionária, que permitiria elevar cargas ou espaçonaves até uma órbita em torno da Terra sem a necessidade de utilização de foguetes, o que seria incomparavelmente mais econômico.
O livro situa-se no século 22, onde o Dr. Vannevar Morgan é um famoso engenheiro estrutural que planeja construir um elevador espacial, mas como se não bastasse os problemas de tecnologias de materiais e recursos necessários, ele tem que lidar com o fato de que o único local viável para a construção da torre de ancoragem ficar no topo de uma montanha em Taprobane (Sri Lanka) onde encontra-se um monastério de monges budistas, que opõe-se implacavelmente ao plano pois consideram a montanha sagrada. O Dr. Morgan não é o primeiro homem com planos ambiciosos para essa montanha. Centenas de anos atrás, o Rei Kalidasa enfrentou a mesma resistência dos monges quando planejou construir um palácio na montanha. A joia de seu projeto era a construção das “Fontes do Paraíso” que mostraria jatos de água espetaculares. Existe portanto um paralelo entre os dois homens e seus projetos ambiciosos e a forma como ambos desafiam tradições.
O Dr. Morgan acaba conseguindo vencer a resistência dos monges, e realiza o sonho da construção do elevador espacial, mas um acidente com uma capsula de transporte acaba deixando um grupo de estudantes, um astrofísico e membros da equipe da torre presos a seiscentos quilômetros de altura. Como o suprimento de ar e alimentos está prestes a se esgotar, o Dr. Morgan parte em uma desesperada tentativa de salvamento, o que garante momentos emocionantes na narrativa.
A montanha é um local fictício, mas situado em Sri Lanka onde Arthur C. Clarke viveu a segunda metade de sua vida. O Rei Kalidasa é inspirado em um rei que também existiu na ilha.
As Fontes do Paraíso é um livro excitante que ainda parece atual depois de mais de 30 anos. A inteligente justaposição dos sonhos de Morgan com os do Rei Kalidasa adiciona muita beleza e riqueza na estória, e junto com o Dr. Morgan, ao descobrirmos mais sobre o Rei Kalidasa nos encantamos com a beleza dessa antiga civilização. Em contraste com esse pedaço de história antiga, somos apresentados à estonteante visão da Terra do futuro onde viagens espaciais são comuns e elevadores espaciais apresentam-se como uma forma barata de transporte espacial.
As contribuições de Arthur C. Clarke ao desenvolvimento dos satélites geostacionários garante ainda mais credibilidade a essa ideia do elevador espacial e apesar da sua construção ainda ser considerada impossível com os materiais e tecnologias existentes hoje, no futuro um elevador espacial poderá realmente ser construído.

Gateway – Frederik Pohl

GatewayNovel
Ficha Técnica do Livro

  1. Título: A Porta das Estrelas (Gateway)
  2. Nome do autor: Frederick Pohl
  3. Tradutor: Eurico da Fonseca
  4. Nome da editora: Livros do Brasil – Lisboa, Coleção Argonauta N°355 e n°356
  5. Lugar e data da publicação: Lisboa, 1987;
  6. Número de páginas: Volume 1: 180, Volume 2: 171
  7. Gênero: Ficção Científica;
  8. Nota: ★★★★

Gateway (A Porta das Estrelas) foi escrito por Frederik Pohl em 1977 e recebeu os Prêmio Hugo e Locus de 1978, o prêmio Nebula de 1977 e o Prêmio Memorial de John W. Campbell de melhor romance de ficção científica. É o primeiro livro da saga Heechee, que teve várias sequências tendo até mesmo sido adaptado para um jogo de computador em 1992. Existe apenas uma edição em português, na famosa coleção argonauta, em dois volumes (355 e 356), recomendo a compra através do site Estante Virtual, existem alguns poucos (e raros) exemplares à venda.

Introdução ao Roteiro

No ano de 2077 o planeta Vênus tornou-se a mais nova fronteira para uma Terra super populosa (mais de 25 bilhões de habitantes), faminta e desesperada. Apesar de Vênus ser considerado um planeta gêmeo da Terra, tendo quase o mesmo tamanho e massa, sua atmosfera difere radicalmente da nossa devido à sua densa atmosfera de dióxido de carbono (96,5%), o que produz o mais forte efeito estufa do sistema solar, fazendo com que a temperatura ultrapasse facilmente os 420°C. Os colonizadores tem que lidar com as elevadas temperaturas e pressões dessa atmosfera.
Mas o verdadeiro interesse da humanidade em Vênus está abaixo dessa superfície infernal, em uma grande rede de túneis escavados ha mais de 500 mil anos atrás por uma raça alienígena tecnologicamente muito mais avançada que a nossa e que desapareceu misteriosamente, os Heechee. (Será que veio daí a ideia dos mundos labirínticos em Hyperion, de Dan Simmons? )
A esperança em encontrar tecnologias que ajudem a resolver o problema da super população da Terra levou centenas de exploradores a se aventurar nesses túneis. A maioria das descobertas eram de apenas artefatos sem utilidade aparente, sendo considerados apenas como curiosidades, pois os Heechee tinham limpado muito eficientemente os túneis antes de partirem ou desaparecerem, ou pelo menos assim parecia até que um explorador chamado Sylvester Macklin encontrou uma nave espacial funcional. Sylvester não anunciou sua descoberta, e tentando descobrir sozinho alguma forma de fazer funcionar a nave acabou acionando algum controle que fez com que a nave disparasse para fora da atmosfera de Vênus. Assim que a nave saiu do planeta ela acionou algum propulsor desconhecido que causou o desaparecimento da nave do espaço conhecido, entrando no que o autor chamou de espaço Tau, e ao retornar Sylvester descobriu aliviado que tinha voltado ao nosso sistema solar, e estava se dirigindo para uma imensa estação espacial em um asteroide ou núcleo de cometa oco que orbitava o Sol entre a órbita de Vênus e Mercúrio, mas estranhamente em outro plano que não o da eclíptica. A nave estacionou automaticamente em um hangar cheio de outras naves similares. Sylvester deixou a nave e começou a explorar a estação cheio de admiração e expectativa com a descoberta. Infelizmente ele não tinha alimentos ou água, e não conseguia partir com a nave novamente. Vendo-se preso e incomunicável, ele decidiu que sua morte não seria em vão: ele começou a mexer com as células de combustível até que causou uma enorme explosão. A explosão foi detectada pela NASA que enviou uma missão para o asteroide, e então revelou para a humanidade que a estação espacial Heechee tinha milhares de naves capazes de viajar para longínquos lugares no universo, transformando a estação na porta de entrada para as exploração de outros sistemas estelares.
Depois de muitos conflitos e discussões, decidiu-se que a estação era muito importante para ser entregue a apenas uma nação, e então foi criada a Companhia Gateway Enterprises, encarregada da exploração da tecnologia Heechee em nome dos Estados Unidos, da União Soviética, do Novo Povo da Ásia, da Confederação Venusiana e dos Estados Unidos do Brazil (sim, Frederick Pohl imaginou o Brasil como uma potência mundial no futuro).
Surge então uma nova forma de exploração espacial: a prospecção através das naves Heeches, e a estação em que estão essas naves passa a ser chamada de Gateway. Os prospectores são voluntários que partem nas naves rumo ao desconhecido na tentativa de descobrir novos artefatos, ferramentas ou tecnologias que possam ser úteis à humanidade, numa espécie de corrida do ouro galáctica.
Apesar de muito esforço, os cientistas humanos não são capazes de realizar engenharia reversa com as naves, e todas tentativas de abrir os motores causa uma grande explosão. O sistema de controle também é uma incógnita, e os destinos das viagens são desconhecidos. Muitas vezes as naves levam suas tripulações de uma pessoa, três ou no máximo cinco (dependendo do tipo de nave), até um destino catastrófico como um pulsar, uma nova ou muito próximo de uma estrela, causando a morte da tripulação. Todas as naves dispõe de um módulo que possibilita o pouso na superfície de planetas habitáveis.
A taxa de sucesso nas missões de prospecção no início da estória é de cerca 2357 lançamentos para 841 retornos das naves (ou seja, menos de 36%), muitas vezes sem que a tripulação volte viva ou bem.
Como forma de recompensar e estimular os voluntários, a corporação oferece prêmios como esses:

  • Bônus caso encontre uma civilização alienígena: 100 milhões de dólares;
  • Bônus se encontrar uma nave Heechee para mais de cinco pessoas: 50 milhões de dólares;
  • Bônus se encontrar um planeta habitável: 1 milhão de dólares;
  • Bônus de perigo: 0,5 milhões de dólares; O bônus nesse caso é para repetir destinos em que a tripulação de outra missão não retornou, para tentar descobrir o que aconteceu;

Os prospectores vivem o sonho de ficarem milionários da noite para o dia, e apostam suas vidas nisso.
Apesar dos riscos, muitos sonham abandonar a empobrecida, super populosa e faminta Terra com a esperança de enriquecer em Gateway. Robinette Stetley Broadhead — conhecido como Robin, Rob, Robbie ou Bob, dependendo das circunstâncias e de seu humor — é um jovem mineiro de comida na Terra que vence um prêmio de loteria que lhe garante dinheiro suficiente para comprar um bilhete só de ida para o Gateway, na esperança de enriquecer como prospector.
Inicialmente ele fica assustado com o perigo envolvido e atrasa o máximo possível sua primeira missão, mas como começa a ficar sem dinheiro ele acaba partindo em três viagens. Não escrevo mais sobre o roteiro para não estragar a surpresa, apenas adianto que a sorte de Robinette acabará trazendo além de dinheiro muitos problemas para sua já atormentada psique.

 Considerações sobre o livro

Robbie pode ser descrito como um perdedor: nasceu pobre, com sérios traumas de infância que causaram problemas psicológicos que o persiguiram por toda sua vida. Apesar de tudo isso ele acaba tendo sorte (ou não?) com suas viagens espaciais.
O livro foi escrito de forma muito competente, com uma narrativa que alterna entre a experiência de Robinette em Gateway e suas sessões de terapia com Sigfrid, um avançado computador psiquiatra, culminando no momento traumático de sua terceira e última viagem em uma nave Heechee. Além disso, no meio da história existem trechos de notícias, anúncios ou entrevistas onde o autor esclarece alguma coisa sobre os Heechees e o cotidiano em Gateway.
As sessões de terapia com Sigfrid são verdadeiras pérolas cheias de bom humor e tiradas inteligentes, e só por isso já valeriam a pena a leitura desse livro.
Pohl é um expert em expor ideias esotéricas de uma forma compreensível e fundamentadas fisicamente,  e até mesmo teorias complexas a dos buracos negros e pulsares são mostradas de forma a não assustar o leitor comum.
As descrições que o autor faz de detalhes tangíveis como os cheiros desagradáveis do ar reciclado e os inconvenientes do espaço confinado em Gateway e das naves Heechee são muito competentes e convincentes.
Em uma primeira análise parece incompreensível que os prospectores atirem-se de forma tão louca em direção ao desconhecido, utilizando a Heechee da mesma forma que um chipanzé usaria uma nave espacial humana! Mas na verdade isso pode ser considerado um paralelo com a obssessão com jogos de azar tão comum em tantas pessoas.

 Um livro cheio de bom humor e ironia, recomendo a leitura!