Encontro com Rama – Arthur C. Clarke

imagem_a

Encontro com Rama (Rendezvous with Rama) é um livro de ficção científica hard escrito por Arthur C. Clarke em 1972, e vencedor do Prêmio Nebula de 1973 e Prêmios Hugo e Locus de 1974. A estória está situada no século 22, quando uma misteriosa espaçonave cilíndrica de 20 Km de diâmetro e 54 Km de comprimento entra no sistema solar, e mostra o ponto de vista de um grupo de exploradores humanos que partem em uma missão exploratória para tentar revelar seus segredos. Esse livro é considerado um dos melhores trabalhos de Arthur C. Clarke, e após o sucesso desse livro o autor juntou esforços com Gentry Lee — outro grande escritor de ficção científica — para escrever outros três livros, criando o que considero a melhor série de ficção científica hard já escrita.

Introdução ao Roteiro (sem spoilers)

Após um desastre em 2077 causado pela colisão de um asteroide no noroeste da Itália, o governo da Terra iniciou um projeto conhecido como Spaceguard, para rastrear e avisar com antecedência possíveis colisões com outros asteroides.

Em 2130 um objeto de grandes proporções é detectado além da órbita de Júpiter. Inicialmente confundido com um asteroide, sua órbita e velocidade mostram que trata-se de um objeto que veio de fora do sistema solar. O interesse pelo objeto cresce quando um astrônomo descobre que ele possui um período de rotação de apenas 4 minutos, mesmo sendo excepcionalmente grande. Há muito tempo os astrônomos já tinham esgotado a mitologia grega e romana, e agora estavam explorando o panteão hindu, o objeto então foi batizado com o nome do deus Rama.

Uma sonda batizada de Sita é lançada a partir de Phobos, uma das luas de Marte, para interceptá-lo e fotografá-lo, e acaba revelando que Rama é um gigantesco cilindro construído artificialmente, fazendo desse o primeiro encontro da humanidade com uma nave alienígena.

A nave tripulada de pesquisa solar Endeavour é rapidamente redirecionada para explorar Rama, por tratar-se da única nave próxima o suficiente para alcançar a nave alienígena durante sua breve visita pelo sistema solar. A Endeavour consegue alcançar Rama um mês após a a sonda Sita revelar tratar-se de uma nave alienígena, sendo que esta já estava dentro da órbita de Vênus. A tripulação de cerca de vinte homens, liderados pelo Comandante Bill Norton, tem pouco tempo para entrar em Rama, e explorar a vastidão de seu mundo interior.

Considerações sobre o livro

Nessa estória você não encontrará casos de amor entre os personagens; os personagens são cientistas sensatos e não existem conflitos psicológicos entre eles; não há personagens malvados (apesar de uma ação do governo de Mercúrio adicionar algum drama ao enredo); não existem alienígenas malignos; não existe ameaça real à vida na Terra em nenhum momento; o livro parte de uma premissa ingênua e comum na ficção científica: seres humanos tropeçando em um objeto alienígena cheio de mistérios (apesar da escala monumental do objeto, claro). Agora você perguntará: Então o que há de tão especial em Encontro com Rama para ter recebido tantos prêmios e ser considerado um dos melhores livros de ficção científica de todos os tempos?

A genialidade de Arthur C. Clarke, é óbvio!

Agora falando sério, Clarke realizou um trabalho primoroso de ficção científica hard, aquele gênero de ficção que tem um forte apreço pela realidade e leis da física.

O principal foco do livro (e o autor nunca desvia desse caminho) é desvendar os mistérios dessa nave alienígena gigantesca, com as possibilidades que tal encontro poderia apresentar.

O autor realiza um excelente trabalho descrevendo a força centrífuga gerando o equivalente a força gravitacional, a força coriolis e os autômatos ramanianos, abandonando a ficção científica hard apenas para introduzir a Propulsão Espacial, uma clara violação da física (até onde sabemos, claro).

Acredito que a melhor coisa nesse livro é que ao lê-lo sentimos que estamos novamente na companhia daquele nosso tio-avô que, quando éramos crianças, era capaz de expandir nossos horizontes e aumentar nossa admiração pela ciência e natureza, e, assim como fazíamos na época, acabamos perdoando suas manias e piadas sem graça pelo simples prazer da sua companhia, e pelo encanto que sua paixão pela ciência produzia em nós.