Red Mars – Kim Stanley Robinson

M1_Red_Mars           

 Ficha Técnica do Livro

  1. Título: Red Mars (Trilogia de Marte #1)
  2. Nome do autor: Kim Stanley Robinson
  3. Tradutor: Não foi traduzido para o português
  4. Nome da editora: Spectra;
  5. Data e local de publicação: EUA, 1993;
  6. Número de páginas: 592 páginas;
  7. Gênero: Ficção Científica;
  8. Sub-Gênero: Ficção Científica Hard;
  9. Nota: ★★★★

Red Mars é o primeiro livro da Trilogia de Marte, tendo recebido o Prêmio Nebula de 1993. Lembro de ter lido ele pela primeira vez em 1994 ou 1995, época em quem eu estudava astronomia na UFRJ e este foi o primeiro livro de ficção científica que li em inglês. Desde então venho esperando por uma tradução, mas infelizmente ela nunca foi feita, e como estou lendo os vencedores do Prêmio Hugo (Green Mars e Blue Mars receberam o prêmio) decidi começar relendo o primeiro livro da trilogia que considero a melhor ficção épica sobre a colonização de Marte.
Hoje temos acesso a muitas imagens de Marte, inclusive através do Google Maps Mars, recomendo a consulta dos mapas e regiões para uma melhor ambientação! Veja algumas das regiões descritas por Robinson em seu livro:

Chryse Planitiae

Chryse Planitiae

Juventae Chasm

Juventae Chasm

Para uma perspectiva ainda melhor do planeta vermelho recomendo o site da NASA, que tem uma enorme quantidade de material das últimas missões, principalmente da Opportunity:

PIA16703_Sol3137B_Matijevic_Pan_L257atc_br2

A história de Red Mars inicia em 2026 com a primeira viagem colonizadora para Marte feita pelo Ares, a maior espaçonave construída para levar os primeiros colonizadores do planeta vermelho. A nave foi construída através da união de tanques externos dos ônibus espaciais, que após a utilização foram impulsionados até uma órbita para serem utilizados como módulos construtivos. A missão é um joint venture entre os Russos e Americanos, sendo que setenta dos Primeiros Cem são desses países. O livro detalha a viagem, a construção da primeira base (chamada de Underhill) por Nadia Chernyshevski, os relacionamentos complexos entre os colonizadores, os debates sobre terraformação do planeta e o relacionamento da colônia com a Terra.

Existem dois pontos de vistas diametralmente opostos quanto a terraformação de Marte: O personagem Saxifrage “Sax” Russell acredita que própria presença do ser humano no planeta significa que a terraformação de Marte já teve início, e que seria essa a nossa obrigação, pois a vida é a coisa mais rara e preciosa do universo e Marte precisa receber a vida. Já Ann Clayborne assume a posição de que a humanidade não tem o direito de alterar planetas para satisfazer suas necessidades.
O ponto de vista de Russel inicialmente é puramente científico mas acaba misturando-se com as ideias de Hiroko Ai, a chefe da equipe de agricultura que acaba criando um novo sistema de crença (a “Areophania”) que devota-se à admiração e promoção da vida (“viriditas”); os seguidores desses pontos de vistas são chamados de “Verdes”, enquanto os seguidores de Clayborne ficam conhecidos como “Vermelhos”.
O órgão que irá decidir para qual lado a colonização irá seguir será a Autoridade das Nações Unidas para Organização de Marte (UNOMA), e obviamente (contar o óbvio não é spoiler, certo?) os Verdes irão prevalecer.
Entre as técnicas utilizadas para transformar Marte são utilizadas as seguintes:

  1. Instalação de um grande número de cataventos para transformar a energia eólica em térmica para aquecer a atmosfera;
  2. Escavação de túneis profundos na crosta (moholes) para liberar calor retido abaixo da superfície. O nome Mohole é uma homenagem ao Projeto Mohole, que foi conduzido entre 1958 e 1966 e realizou uma tentativa de recuperar uma amostra de material do manto terrestre ao cavar um buraco através da crosta na Descontinuidade de Mohorovicic, ou Moho.
  3. Aumento da concentração de gases na atmosfera através de uma complexa fórmula bio-química que fica conhecida como “coquetel de Russell”;
  4. Detonações nucleares profundas para derretimento do permafrost e liberação de água;
  5. Arremesso de cometas para colisão na atmosfera de Marte, em trajetória rasante, causando sua desintegração e agregação de oxigênio, hidrogênio e água na atmosfera;
  6. Inserção de um asteroide em órbita geossíncrona com Marte, que é batizado de “Clarke” no qual será construído um  elevador espacial;

Além disso Robinson introduz muitas tecnologias que hoje seriam consideradas como o Santo Graal da ciência, tanto na ciência de materiais (com super materiais extremamente resistentes que possibilitariam a construção do elevador espacial e redomas flexíveis capazes de envolver cidades inteiras) como na ciência biológica (tratamentos genéticos e geriátricos que prolongariam a vida e a qualidade de vida em várias décadas).
Considero Red Mars um dos melhores livros de ficção científica hard já escritos, e sem dúvida o melhor livro sobre uma possível colonização de Marte, muito coerente nos princípios científicos apresentados, cheio de aventura, romance e humor. Mas então por quê não dei cinco estrelas para ele? Acredito que a única falha do autor foi dar pouco destaque ao enorme desafio que os colonizadores deveriam enfrentar ao lutar contra um ambiente extremamente hostil: atmosfera rarefeita e tóxica, frio extremo, recursos limitados e ambientes confinados em um sistema ecológico frágil e complexo. Para se ter uma ideia, após mais de um ano da chegada da equipe de cem colonizadores nenhum deles morre ou sofre ferimentos graves. O pior ferimento foi o de Nadia, uma especialista em construções em ambientes hostis, que perdeu apenas um dedo e um acidente. Comparando com as dificuldades enfrentadas pelos colonizadores do Novo Mundo ou com as dificuldades que os exploradores da Antártica enfrentaram, é praticamente um acampamento de verão! A viagem da equipe de geólogos e Nadia ao pólo norte marciano foi descrita rapidamente e transcorre sem nenhuma dificuldade, sendo apresentada mais como uma excursão de férias para Nadia do que como uma missão arriscada com algum propósito científico ou prático. Enquanto isso a maior preocupação de Maya (a líder do grupo russo) é como ela vai lidar com seu triângulo amoroso que mantém com os dois líderes americanos, Frank e John.
Muito pouco do livro é dedicado à questão homem versus ambiente, e muito dele é dedicado aos conflitos entre os próprios seres humanos, questões políticas e econômicas, como se a maior dificuldade de viver em Marte não fosse o ambiente inóspito, mas sim a própria natureza destrutiva do ser humano e as dificuldades de relacionamentos dos colonizadores.
Mas essa é uma pequena falha de Kim Stanley Robinson, e de forma alguma desmerece esse grande livro. Na minha opinião, Red Mars seria ainda melhor se tivesse um pouco mais do estilo que Arthur C. Clarke empregou em Encontro com Rama (veja minha análise), que é muito mais realista e focado na exploração e não nos relacionamentos humanos.

Robinson utiliza o eficiente recurso de alternância da narrativa em terceira pessoa entre os personagens principais, o que permite ao leitor ver Marte e os relacionamentos dos colonizadores sob perspectivas muito diferentes: Nadia com seu pragmatismo cabeça-dura, Ann com sua tristeza quase patológica, John com seu entusiasmo e estilo celebridade de primeiro homem em Marte, Arkady com seu libertarismo revolucionário, o psiquiatra francês Michel Duval sofrendo de saudade crônica da Terra; essa alternância amplia muito a abrangência do trabalho do autor, possibilitando ao leitor identificar-se com um ou outro personagem e suas atitudes em determinados momentos.

Não deixe de ler também Green Mars e Blue Mars, em breve publicarei minha análise dos outros livros da trilogia!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s